Leonardo Brito

GINECOMASTIA

Até 40% dos homens são atingidos por um aumento das mamas, gerando desconforto e constrangimento. O nome dessa disfunção é ginecomastia e pode estar associada a um desequilíbrio hormonal que aumenta a produção de estrogênio e diminui a de testosterona. Mesmo que fatores externos, como consumo de certas substâncias ou condições médicas, influenciem o surgimento da ginecomastia, na maioria dos pacientes não existe causa aparente, podendo ser, também, acúmulo de gordura. A ginecomastia se manifesta de três formas: a “verdadeira”, devido a uma hipertrofia da glândula mamária; a “falsa”, ocasionada pelo excesso de gordura; e a “mista”, uma combinação dos dois cenários, sendo esta última a mais comum.

Resumo Ginecomastia

Alterações corporais: Diminuição de volume e de projeção da mama
Duração: 2 horas
Anestesia: Local com sedação ou peridural
Uso de dreno: Em alguns casos
Tempo de internamento: 1 dia ou day clinic
Dirigir: Após 10 dias
Cicatrizes: Tamanho e forma variáveis
Drenagens: Sim
Observação: Pode associar-se a lipoaspiração

Indicações

A redução das mamas masculinas pode ser indicada sob os seguintes critérios:
Casos em que não há possibilidade de correção através de tratamentos alternativos
Pacientes que não estejam em risco de vida ou com condições que dificultem a cicatrização
Não fumantes ou não usuários de drogas
Pacientes determinados a transformar os seus quadros de ginecomastia
Pacientes saudáveis e com estabilidade de peso
Quadro de ginecomastia estável
Homens que se sentem constrangidos com o tamanho das mamas
Observação: No caso dos adolescentes, alguns procedimentos podem ser necessários depois da cirurgia, já que a mama ainda está em desenvolvimento.

PROCEDIMENTO CIRÚRGICO

A cirurgia, realizada com anestesia peridural, geral ou local com sedação, pode ser feita associada a uma lipoaspiração ou ressecamento do tecido glandular. A incisão é no mamilo, tendo a cicatriz camuflada pela cor da pele da região, e a alta se dá no mesmo dia da cirurgia.

Em alguns casos, pode ser necessária a utilização do dreno.

PÓS-OPERATÓRIO

Desconforto é normal alguns dias após a cirurgia, mas o quadro é suavizado por analgésicos receitados pelo médico. A recuperação é rápida, com retorno à rotina entre 24 e 48 horas após a cirurgia, com retirada dos pontos de 7 a 14 dias e uso de cinta torácica por 1 mês, liberando o paciente para exercícios físicos depois disso.