Leonardo Brito

ABDOMINOPLASTIA

A abdominoplastia é uma cirurgia plástica no abdome para corrigir o excesso de pele e gordura — acumulados por gestações e oscilações de peso —, corrigir flacidez muscular e melhorar o contorno corporal nos casos em que exercícios físicos e dietas balanceadas não surtem efeito. Mas é importante saber que esse é um procedimento que remove, apenas, o excesso localizado abaixo da região do umbigo, não eliminando os acúmulos nas laterais do abdome. Nesse caso, é necessário associar a abdominoplastia a uma lipoaspiração.

RESUMO

Alterações corporais: Remoção de pele e gordura e aproximação dos músculos
Duração: 3 horas e meia
Anestesia: Peridural com sedação
Uso de dreno: Sim (por 5 dias)
Tempo de internamento: 1 dia
Dirigir: Após 25 dias
Cicatrizes: 20/35 cm em média
Drenagens: Sim
Observação: Obtêm-se melhores resultados com lipoaspiração associada

Indicações

Existem diferentes deformidades abdominais que devem ser avaliadas de maneira individual para a indicação da intervenção cirúrgica mais adequada. Alguns pacientes, por exemplo, apresentam características que não se encaixam na abdominoplastia clássica, e a lipoaspiração seria a forma única de tratamento. Para esses casos, pode ser indicada a miniabdominoplastia, ou abdominoplastia com cicatriz reduzida, em que há uma remoção mais econômica do tecido, não havendo intervenção no umbigo. Já quando há excesso de pele ou gordura na região abaixo do umbigo, a indicação é de miniabdominoplastia.

PROCEDIMENTOS

A realização da abdominoplastia ou dermolipectomia deve ocorrer sempre em um hospital, sob anestesia geral ou peridural combinada a uma sedação, e a alta do procedimento costuma se dar em 24 horas. Sua cicatriz é de 25 a 35 cm, em cima do púbis, localizada de forma que fique escondida quando o paciente estiver de roupas íntimas ou de banho.

PÓS-OPERATÓRIO

A indicação é a permanência na cama por uma noite após a cirurgia, caminhando em seguida, porém se mantendo em atividades leves na rotina diária. Deve-se evitar fazer esforços, assim como dirigir automóveis, por até 25 dias, e os exercícios físicos são liberados após 2 meses. Não há desconforto intenso, porém se faz necessário o uso da cinta modeladora para facilitar a aderência dos tecidos e acelerar a reabsorção do inchaço. Sessões de drenagem linfática também são indicadas para uma recuperação mais rápida. Analgésicos e anti-inflamatórios costumam controlar bem as dores pós-operatórias.